Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

Comunicado: O mau jornalismo não passará!

É chegado o tempo, e uma vez que a ERC aprovou e divulgou uma deliberação com a qual, na sua grande maioria, o Sport Lisboa e Benfica concorda, de recordar algo que muitos, de forma intencional, parecem querer omitir: O Sport Lisboa e Benfica sempre cumpriu com os critérios legais consagrados no Estatuto do Jornalista, ao contrário de alguns jornalistas que, ainda hoje, continuam pela prática a violar esse mesmo Estatuto.

Apesar da rápida interpretação que o sr. Luís Sobral faz da deliberação e da vitória reclamada em crónica publicada, ao final da tarde, no Maisfutebol, não nos parece que haja razões para tanta adjectivação e exaltação.

A ERC disse algo com o qual o Sport Lisboa e Benfica concorda: a obrigatoriedade de respeito pelo direito do acesso dos jornalistas aos eventos de interesse público. Algo, de resto, que o Benfica sempre respeitou!
O que o Sport Lisboa e Benfica sempre distinguiu foi eventos que não são do interesse público e para os quais se reserva o direito de convidar quem bem entende. Matéria que, de resto, foi bem explicada aos responsáveis da ERC.
Nunca pretendeu o Sport Lisboa e Benfica discriminar, nem tão pouco alterar a linha editorial da TVI ou de quaisquer outros meios de comunicação, mas apenas proteger a instituição em relação à manipulação praticada em relação ao tratamento informativo praticado por estes.

Manipulação não é apenas a adulteração propositada de determinados factos com o intuito de beneficiar ou prejudicar alguém. A manipulação também é a selecção de notícias que vão entrar no alinhamento; as reportagens que se fazem e aquelas que se deixam de fazer; as pessoas que se convidam para comentar determinados factos, enfim, tudo isto são formas de manipulação e em tudo isto a TVI foi tendenciosa, parcial e sensacionalista.

Como os membros da ERC bem sabem a agenda mediática é construída com base em critérios subjectivos, condicionando – por essa via – e em função das opções que se tomam aquilo que se quer que as pessoas discutam, pelo prisma que os meios entendem que devem ser discutidos.

Acresce a tudo isto que, quando a chefia editorial que coordena a equipa é parcial, dificilmente toda a estrutura abaixo desta pode comportar-se de forma diferente. Luís Sobral , em matéria de Benfica, em geral, e em relação a Luís Filipe Vieira, em particular, não consegue – e desconhecemos as razões – ser isento na análise. Esta apreciação nada tem de especulativa, é uma constatação de facto. Basta atender em algumas das mais recentes crónicas de Luís Sobral no Maisfutebol:
- 16 de Maio 2009 – “Esqueçam o treinador, pensem no presidente”
- 10 de Junho 2009 – “Estou farto de benfiquistas”
- 20 de Junho 2009 – “Benfica e a oportunidade perdida” – “Tenho pena que no próximo dia 3 de Julho o Benfica não eleja um Presidente como José Eduardo Moniz”

A linha editorial da TVI sempre esteve ‘contaminada’ pela visão parcial do seu responsável pela editoria de desporto. Razão pela qual sempre foi pouco objectiva e muito desfocada. É evidente que tudo isto, para uma sociedade cotada em bolsa, como é o caso do Benfica, tem custos, e grandes. Qualquer informação – mesmo que falsa – tornada pública e “travestida” de notícia assume consequências imparáveis. Nunca mais pode ser apagada, ainda que ela seja posteriormente desmentida ou corrigida.

Não deixa de ser curioso que são as pessoas que mais violam os deveres e os valores do código deontológico que rege a profissão que mais invocam esses mesmos valores por uma questão de oportunismo!

Estamos de acordo com a ERC, nunca pusemos em causa o acesso de jornalistas a eventos de evidente interesse público. Este comportamento será mantido, mas para eventos de carácter particular continuaremos a convidar aqueles que cumprem o que está estipulado no Estatuto do Jornalista: “informar com rigor, rejeitando o sensacionalismo e demarcando claramente factos da opinião”.

Estamos, igualmente, como referi há alguns meses atrás, do lado do Presidente da ERC, que, entendendo que um determinado jornalista do Expresso não lhe dava garantias de isenção, recusou a entrevista alegando que “ninguém pode ser obrigado a falar com quem não quer”! Fazemos nossas as suas palavras e garantimos que para jogos de carácter oficial e eventos de interesse público as portas estão abertas a todos. Em eventos particulares, o critério e o respectivo convite é um direito nosso e uma responsabilidade da qual não nos demitimos!

João Gabriel
Director de Comunicação Sport Lisboa e Benfica

Posted by Ruben Alves às 00:50
link | COMENTAR! | favs

Sempre Fiéis

RSS

COMENTÁRIOS

BOM DIA. BOA ANÁLISE.DIA 27 TODOS À LUZ, ENCHER A ...
Sendo assim ja não é assim tão descabido. Não fazi...
O Costinha é sportinguista desde miúdo (ele e o Ma...
Vê este blog: www.porumbenficamaior.blogspot.comPo...
Amigo ruben alves , Tenho de estar de acordo cont...
lOL epa eu acho que apanhei a imagem na melhor alt...
Se reparares bem, bem , bem, a bola não está compl...
Caro Viriato,Se até no estado em que se encontra o...
eheheheheheheh as batatadas que cairam no chão, pa...
o golo do Paneira é qualquer coisa de fantástico.....

MAIS COMENTADOS

6 comentários
5 comentários
3 comentários
3 comentários
3 comentários
2 comentários

todas as tags

História

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO